Mostra que debate danos da mineração chega a Açailândia

quinta-feira, 17 de agosto de 2017
918 visualizações

A mostra discute o modelo de exploração mineral adotado no Brasil por meio de pintura, fotos, maquetes e debates com pesquisadores e atingidos pela mineração no PA e no MA a partir do crime de Mariana (MG)

As maquetes chamaram a atenção do público em Belém/PA (Foto: Edmara Silva)

Açailândia (MA) recebe de 18 a 24 de agosto a exposição “Do Rio que era Doce ao outro lado dos trilhos: os danos irreversíveis da mineração”, que discute o modelo mineral brasileiro, com obras artísticas, fotografias e palestras que visam promover uma reflexão sobre o modelo mineral. A mostra é organizada pelo Comitê Em Defesa dos Territórios Frente à Mineração e pela rede Justiça nos Trilhos e tem como objetivo demonstrar aos visitantes os riscos da mineração para a sociedade e atingidos diretos no processo mineral.

A exposição conta com rodas de conversas, aulas públicas e exibição de documentários que retratam os impactos causados pelo rompimento da barragem de Fundão da empresa Samarco em Mariana (MG), em novembro de 2015 e os transtornos causados pelas atividades de extração e transporte do minério de ferro ao longo do Corredor de Carajás.  A exposição também conta com fotos de Piquiá de Baixo, bairro industrial no município de Açailândia (MA) que convive há mais de 30 anos com a poluição sonora, do ar e da água.

Aula pública do professor Luiz Jardim. Ao fundo o mural de Leila Monségur (Foto: Edmara Silva)

Entre as atrações está a tela de 14 m x 3 m feita pela artista Leila Monségur que retrata o desastre no Rio Doce, duas maquetes que mostram o complexo de Mariana (MG) antes e depois do rompimento da barragem, 44 fotos do crime ambiental e de diversos municípios ao longo do Corredor Carajás, além de seis infográficos.

A mostra Do Rio que era Doce ao outro lado dos trilhos: os danos irreversíveis da mineração – que nasceu em São Paulo e agrega novas realidades a cada local por onde passa – segue de Belém para Açailândia (MA), de 18 a 24 de agosto, e posteriormente para São Luís (MA) , de 29 de agosto a 4 de setembro.

 

Por Edmara Silva

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!