II Jornada da Juventude do Campo

Juventude que ousa lutar constrói um poder popular!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016
76 visualizações

II Jornada da Juventude do Campo de Açailândia reúne cerca de 100 jovens em debate sobre políticas públicas para o meio rural


Era manhã do dia 19 de outubro, a Câmara Municipal de Acailândia (MA) que estava vazia, aos poucos foi enchendo de jovens dos assentamentos rurais do município. Entusiasmados pelo que iria acontecer naquele dia, trouxeram cartazes, apresentações de dança, teatro e paródias que refletem os anseios da juventude do campo.

A II Jornada da Juventude do Campo foi realizada pela rede Justiça nos Trilhos em parceria com os professores e alunos dos assentamentos João do Vale, Francisco Romão, Agroplanalto, Baianos, Planalto I, Novo Oriente e da Casa Familiar Rural de Açailândia. A primeira edição do encontro aconteceu em 2015, no assentamento João Vale.

 

“Educação no campo não é esmola,é direito! ” , Dizia um cartaz.
“Avante juventude! ”, bradou uma jovem.
“Se o povo do campo não roça, a cidade não almoça. Se o povo do campo não planta, a cidade não janta!”, afirmou um jovem.

As palavras de ordem contagiavam a todos do local, era como se os jovens estivessem engasgados e encontrassem na Jornada um espaço para expor suas angústias e preocupações em relação à vida e permanência no campo.

58343cc20cd52-reduzirfotos-com

Para o estudante da Casa Familiar Rural, Matheus Sousa, o evento serve para ouvir e conhecer novas histórias sobre as realidades dos jovens do campo. “Acho que aqui abre mais a visão da gente, conhecendo e ouvido as necessidades de todos de forma coletiva”.

Estavam presentes cerca de 100 jovens, que lotaram o auditório da Câmara. No período da manhã, eles participaram de palestras sobre comunicação, educação no campo e trabalho/saúde/infraestrutura, temas escolhidos pela própria juventude, para serem debatidos. .

Com base no debate, os jovens pautaram uma série de demandas que buscam melhorias para vida rural, entre elas estão: a criação de bibliotecas públicas no campo; sala de informática com internet em todas as escolas dos assentamentos; melhoria na estrada de acesso; criação de postos de saúdes e maior frequência de médicos.

O objetivo da Jornada foi expor essas demandas para os representantes do governo municipal. No entanto, apenas o representante da Secretária de Educação, Antônio Erismar participou do período da manhã. Mesmo assim não pôde ficar até o final e ouvir os encaminhamentos feitos pelos jovens.

58343cd49918e-reduzirfotos-com

“Precisamos continuar fazendo espaços como esse para pressionar os governantes, para garantir nossos direitos”, afirmou Andreia Ribeiro, moradora do assentamento do João do Vale, que se queixou da falta dos representantes da Prefeitura no evento.
Devido à falta de representação do governo municipal, os jovens decidiram criar uma comissão que ficará responsável por levar as demandas elaboradas de forma coletiva durante a Jornada aos responsáveis referentes de cada área apontada.

“Está sendo um dia bom, estou aproveitando bastante. Só a falta dos vereadores foi chata, esperávamos está cara a cara com eles”, contou Matheus Sousa.

A II Jornada da Juventude do Campo terminou após as apresentações culturais realizadas pelos jovens, que por sua vez saíram do evento muito mais animados por terem conhecido realidades e pessoas diferentes, que estão dispostas a somar forças para garantir que os direitos da juventude do campo sejam postos em prática.

A Câmara novamente fica vazia, mas por hora. Os jovens que ali se encontraram prometeram ficar vigilantes e voltar caso não tenham seus direitos respeitados. “Não podemos deixar isso morrer, para que toda juventude entenda que podem e devem continuar lutando e pressionando o governo para garantir que seus direitos”, pontuou Andréia.

Mikaell Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *