Jovens participam de oficina sobre a comunicação alternativa

sexta-feira, 10 de junho de 2016
375 visualizações

O objetivo é a formação de comunicadores populares que utilizam meios alternativos de denunciar violações de direitos e para mobilização em prol de causas comuns


img_0961_1_small_-5e62f.jpg Nos dias 4 e 5 de junho ocorreu no município de Santa Rita (MA), a oficina de comunicação Redes sociais como campo de mobilização e comunicação popular, que teve a participação de jovens de comunidades impactadas pela mineração ao longo do Corredor Carajás. Essa é a segunda oficina ministrada pela rede Justiça nos Trilhos destinada a esse público, a primeira ocorreu em 2015, na comunidade quilombola de Santa Rosa dos Pretos (Itapecuru Mirim – MA).

Durante os dois dias, os participantes puderam refletir sobre os potenciais e perigos das redes sociais na mobilização das comunidades e também na comunicação como ferramenta de luta para moradores que são impactados por grandes projetos.

Para incentivar a realização de cobertura colaborativa sobre assuntos ligados às comunidades, foi criada a fanpage O grito que anda que será alimentada com conteúdo exclusivo, feito pelos próprios participantes da oficina. A proposta é que eles produzam materiais multimidiáticos (fotos, textos, vídeos e etc) que retratem suas realidades, como uma alternativa aos veículos tradicionais, que geralmente não cobrem as violações de direitos. Todo o material da fanpage também será publicado nas redes sociais da Justiça nos Trilhos, criando assim uma cobertura colaborativa dos problemas enfrentados por essas comunidades.

img_0982_small_-ff0e4.jpg Nas comunidades onde não há acesso à internet, foi proposto a criação de panfletos temáticos utilizando a técnica de zine (textos, recortes e colagem) utilizando elementos visuais que chamem a atenção e tornem o conteúdo mais atraente.

Formação Política

A oficina faz parte do projeto de formação política continuada, promovida pela rede Justiça nos Trilhos em parceria com o Grupo de Estudos Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA), da Universidade Federal do Maranhão. Esse projeto teve início em dezembro de 2014 com o objetivo de formar lideranças jovens que pudessem atuar em suas comunidades de forma crítica aos grandes empreendimentos “desenvolvimentistas” instalados na região.

Corredor de Carajás

Corredor de Carajás é um complexo composto por mina-ferrovia-porto, que abrange uma região que vai do Sudeste do Pará até o litoral do Maranhão, atravessa 27 municípios, possui 892 Km de extensão, passando por aproximadamente 100 comunidades.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!