Jovens maranhenses discutem sobre impactos da mineração

terça-feira, 19 de novembro de 2013
173 visualizações


web_dsc06043.jpgNos últimos dias 16 e 17, jovens dos municípios de Açailândia, Arari, Itapecuru, Santa Rita e São Luís se reuniram para discutir sobre a atividade de mineração no estado. Estavam presentes quilombolas, filhos de pescadores e de camponeses e jovens dos centros urbanos que têm a diversidade cultural ameaçada pelos impactos da mineração. O objetivo do encontro foi reunir jovens de comunidades que são atingidas pelo Complexo Logístico da Vale S. A., com a Estrada de Ferro Carajás e as siderúrgicas que se instalaram no estado desde a década de 1980. O evento ocorreu na escola Mamãe Elvira Pires, localizada no quilombo Santa Rosa dos Pretos, em Itapecuru-Mirim.

Durante os dois dias os jovens participaram de atividades teatrais, rodas de conversas, música e socializaram os seus modos de vida e preocupações. O encontro entre jovens de diferentes municípios do Maranhão foi importante para que a nova geração possa discutir caminhos em comum. Trabalho, educação, extermínio da juventude negra, saúde, consumo de drogas lícitas e ilícitas, impactos socioambientais decorrentes da Estrada de Ferro Carajás e da siderurgia foram preocupações apresentadas.

Futuros ameaçados

A juventude maranhense demonstrou insatisfação com a chegada de grandes empresas, como a Vale S.A e Suzano Papel e Celulose. Um jovem do município de Arari relatou que quando a “Estação do Conhecimento”, uma proposta de ação social da Vale, se instalou na cidade, gerou expectativa entre jovens e crianças.

“A empresa dizia que ia preparar os jovens e crianças para as olimpíadas e fortalecer as potencialidades econômicas locais. Alguns anos depois, o que sobrou foi uma infraestrutura de primeiro mundo subutilizada”, relatou o jovem.
No município de Santa Rita, os jovens mencionaram ainda a dificuldade e risco que enfrentam no caminho de casa para a escola no período da noite. Por várias horas o trem de cargas, de concessão da empresa Vale S. A., fica parado no local de acesso à comunidade, onde não há viaduto e iluminação. A escola que oferece Ensino Médio fica distante das comunidades, o que obriga os estudantes da área rural a rotineiramente atravessar a ferrovia para chegar à cidade. “Uma das estratégias das empresas é fazer a gente acreditar que pescar não é futuro. Futuro é trabalhar na Vale, na Suzano”, falou um jovem de Santa Rita, criticando a atuação das empresas.

web_dsc05966.jpgOutros temas como migração da juventude para trabalhar no Sul e Sudeste do país, a forma como a polícia ver o jovem e a entrada de drogas nas comunidades foram abordadas teatralmente no encontro.

Os participantes demonstraram ainda preocupação com o ambiente em que vivem e mais uma vez a empresa Vale S. A. foi criticada. “Semana passada eles realizaram na nossa escola, a “Jornada pelo Meio Ambiente”. A Vale não tem direito de falar sobre o meio ambiente, se eles mesmo destroem”, mencionou jovem da comunidade Sítio do Meio – Santa Rita.

Os jovens moradores de Açailândia relataram os problemas de saúde da comunidade Piquiá de Baixo, decorrente da instalação de cinco siderúrgicas na década de 1980. Já na comunidade Santa Rosa dos Pretos, reclamaram da educação precária. Estudantes do ensino médio da escola estadual “Mamãe Elvira Pires” destacaram que não assistem aula durante dias seguidos ou apenas em dias alternados por falta de professores.

De acordo com Sislene Costa, pesquisadora que acompanha as comunidades impactadas pelo Corredor de Carajás, o evento mostrou que a juventude está preocupada com as ameaças a seus territórios e não está alheia às investidas dos grandes projetos de desenvolvimento. “Querem educação de qualidade, formação profissional, querem ser mais bem vistos e respeitados pela sociedade. Anseiam espaços de diálogos em que possam fortalecer seus sonhos e lutar por seus direitos”.

 

por Rede Justiça nos Trilhos

0 Comentários

Deixe o seu comentário!